Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Professores do Campus São Paulo estão desenvolvendo aparelho para desinfecção de ar em ambientes fechados através da aplicação de luz UVC

Publicado: Terça, 28 de Julho de 2020, 00h53 | Última atualização em Quinta, 19 de Novembro de 2020, 17h31

Protótipos estão em fase de testes e apresentam bons resultados

pesquisaIFSP

Durante esse período de suspensão de atividades presenciais e consoante com os problemas oriundos da condição de pandemia, foi idealizado por um grupo de professores do departamento de mecânica (DME) do campus São Paulo um sistema que utiliza os conceitos da tecnologia de radiação UVC como agente germicida. De acordo com os pesquisadores, professores Gustavo Neves Margarido, Mauro Machado de Oliveira, Pedro Fernando Poveda e Ridnal João do Nascimento; a ideia da utilização da tecnologia de radiação UVC para eliminação de patógenos surgiu nas conversas on-line após as reuniões de departamento feitas por web conferência.

Durante os estudos sobre o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19, foram identificadas duas fontes de transmissão: a primeira ocorre indiretamente através do contato com superfícies contaminadas por partículas lançadas quando uma pessoa infectada fala, espirra ou tosse, daí a importância das medidas de distanciamento social e do cuidado com as mãos para evitar contato com superfícies contaminadas; a segunda fonte é proveniente da permanência do vírus no ar por períodos prolongados, por estarem presentes nos aerossóis (partículas no ar), podem ser inalados por pessoas que venham a frequentar o ambiente horas após a contaminação.

Para evitar essa contaminação por aerossóis, que é uma preocupação rotineira mas que atualmente tomou maiores proporções, os professores desenvolveram dois protótipos de equipamento para o tratamento de ar por meio de filtros e raios ultra violetas de faixas C.

Os protótipos, que se encontram em fase de testes, apresentam baixo custo, pequenas dimensões e são adaptáveis a ambientes como salas de aula, elevadores, ônibus, vagões de metrô e trem, automóveis e aeronaves, sem a necessidade das pessoas se ausentarem do ambiente.

Recentemente a equipe contou com a adesão do professor Eduardo Guy Perpétuo Bock (DME) e do pesquisador Wesley Luzetti Fotoran pesquisador do ICB que estão contribuindo na melhoria deste protótipo e no desenvolvimento do equipamento.

O grupo agradece o apoio da diretoria do campus, da diretoria da área de mecânica, dos professores de biologia e demais áreas integrantes do grupo “Estudos Covid-19”, no desenvolvimento dessa pesquisa.

registrado em:
Fim do conteúdo da página