Ir direto para menu de acessibilidade.

GTranslate

ptenes

Cabeçalho - Opções de acessibilidade

Início do conteúdo da página
Visita técnica

Em 8 de junho de 2024, alunos da licenciatura em Geografia do Campus São Paulo e do grupo de pesquisa "Territorialidades, Agroecologia e Migrações na Metrópole de São Paulo", realizaram trabalho de campo na Comuna da Terra Irmã Alberta.

Publicado: Quarta, 26 de Junho de 2024, 09h14 | Última atualização em Sexta, 05 de Julho de 2024, 09h25
Crédito da foto: Rian Lucas Silva Santos.
imagem sem descrição.

A Comuna da Terra Irmã Alberta, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), está localizada no Parque Anhanguera, em São Paulo.  

A atividade foi idealizada pelo líder do grupo de pesquisa, o professor do campus, André Eduardo Ribeiro da Silva, como forma de comemoração da Semana Internacional do Meio Ambiente.

André destaca a importância da visita citando a pesquisa da geógrafa Yamila Goldfarb, intitulada “A luta pela terra entre o campo e a cidade: as comunas da terra do MST, sua gestação, principais atores e desafios” (2007). Para Yamila, a Comuna da Terra é “uma nova forma de mobilização de luta pela terra e reforma agrária localizado próximo a grandes centros urbanos que tem por objetivo envolver pessoas que não tem uma participação recente ligado à terra, materializar práticas e saberes agroecológicos e por possuir a Concessão Real de Uso da área em nome de um coletivo, e não individualmente”. 

Na região noroeste do município de São Paulo, no distrito de Anhanguera, próximo ao limite com o município de Cajamar, o acampamento Comuna da Terra Irmã Alberta é a única territorialização deste movimento socioterritorial de luta pela terra e reforma agrária na área da cidade de São Paulo, existindo desde 2002. Para o professor, o trabalho de campo buscou compreender as particularidades desta estratégia de mobilização, a sua produção apoiada em experiências agroecológicas e as redes tecidas com outras organizações similares, fundamental para compreendermos as articulações entre a luta pela terra e reforma agrária, a produção agroecológica, a preservação da saúde, do ambiente e a diversidade de ações políticas e iniciativas protagonizadas por agentes que conformam as diferentes agriculturas camponesas na metrópole de São Paulo. 

André conclui: “O trabalho de campo foi a atividade culminante das discussões associadas à Semana Internacional do Meio Ambiente, realizada pela disciplina Geografia Agrária, que terá como desdobramento a construção de  um painel fotográfico que será exibido no Campus São Paulo e a continuidade diálogos fecundos que irão reverberar em futuros projetos de pesquisa, ensino e extensão”.

F9

Crédito da foto: André Eduardo Ribeiro da Silva.

 

Fim do conteúdo da página